terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

10 coisas úteis que descobri desde que Baby Caco nasceu.


1 - As pancas vão com a mesma rapidez com que vêm: estive três semanas e meia sem lavar o cabelo a Baby Caco (sim, agora que passou, já posso dizer isto) porque tinha pânico do banho. Actualmente, só não me desfaz as têmporas com um taco de baseball até o enfiar na banheira porque não tem nenhum à mão;
 
2 - Não há remédios para as cólicas. Experimentei tudo o que havia no mercado e até mandei vir de lá de fora. Esqueçam. Não há mesmo nada a fazer além de os abanarmos compulsivamente enquanto sofremos com eles;
 
3 - Passando aqueles primeiros dias de vida em que parecem que têm a pele a desfazer-se, não é preciso pôr creme hidratante na pele dos bebés. Nunca pus e Baby Caco parece feito de veludo;
 
4 - Quando se deitarem no chão a gritar até porem toda a gente num raio de dois quilómetros a olhar para nós, riam-se, deixem-nos espernear e façam de conta que trouxeram à rua o filho da vizinha malcriada. Nada que possam vir a fazer vai mudar a situação;
 
5 - Habituem-se a deixar de fazer jantar para vocês e a comer as sobras. Já perdi a conta aos restos de suissinhos, iogurtes líquidos, sopa fria e massa com carne que actualmente compõem o meu regime alimentar;
 
6 - Os supositórios enfiam-se com a parte mais grossa primeiro;
 
7 - Eliminem das vossas vidas tudo o que sejam séries, novelas e serões de cinema, a não ser que estejam dispostos a assistir enquanto uma criatura de 12 quilos vos amassa a cabeça em pancadas contínuas com um comando de televisão;
 
8 - Não há nada mais desesperante do que tentar mil e uma maneiras de dar um xarope a um bebé quando ele não o quer tomar. Quer dizer, há. É quando finalmente o conseguimos dar e ele vomita-o em cima do sofá que nos custou os olhos da cara; 
 
9 - Se pensam que ir com ele às vacinas é o pior programa das vossas vidas, esperem até ao dia em que terão de o deixar no infantário;
 
10 - Quando eles não querem dormir é porque não querem mesmo. Esqueçam a música do leãozinho, a história do gato Alfredo ou aquele embalo ritmado das vossas mães. Convençam-se de que, se ele quiser, vão mesmo ficar horas a fio a ver a Baby TV. 

21 comentários:

  1. eu ainda descobri outra coisa desde que o meu clã nasceu: não há noites mais agitadas do que ter bebes em casa... esqueçam Lux, Urban, Kapital... se querem noites agitadas, com local para dormir incerto, a saltitar de cama em cama até acabar no sofá é fazer um(a) menino(a) ou mais...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão, Cabanas! Esqueci-me dessa! :-)

      Eliminar
  2. 3 - Alguém que me compreenda!
    6 - Oiiiiiiiiiii???????!!!!!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Passo a explicar o ponto 6: os supositórios são mais finos numa extremidade do que na outra. Eu sempre coloquei a parte mais fina primeiro, mas o correcto é a parte mais grossa, de maneira a que depois custe menos a entrar. Foi uma enfermeira que me disse. Já testei e funciona. Fui mais clara, agora? :-)

      Eliminar
    2. Olha, os dois lá de casa levaram com o foguetão com o bico primeiro estes anos todos. Agora é tarde. Se os traumatizei? Daqui a uns anos voltamos a falar ;) (Juro que continuo sem conseguir perceber como custa menos a entrar com a parte mais grossa primeiro...)

      Eliminar
  3. Olá caco, acho que nunca comentei nada por aqui, mas vai hoje... e é acerca do número 6 (tanta coisa que disseste boa para se comentar e tive de escolher o supositório, estou a rir-me de mim própria!)
    Isto porque depois de ver tantas teorias, acabei por seguir esta que ao menos tem algum suporte cientifico:
    http://eosfilhosdosoutros.blogspot.pt/2013/03/a-ciencia-por-tras-do-supositorio.html
    bjocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Augite, antes de mais bem-vinda e obrigada pelo teu comentário! Já vi o post e efectivamente, há mais gente a dizer o mesmo. Pela minha experiência, ao colocá-lo desta forma, parece-me que ele não se queixa tanto. Espero que voltes mais vezes! Beijinhos :-)

      Eliminar
  4. Confere tudinho.
    As cólicas continuam um mistério para mim. Tenho dois filhos o mais velho nunca teve, abençoado, a mais nova tinha sempre às 9 da noite, parecia um relógio. E confere, não há nada, mesmo nada que resolva. Muito abanico e esperar que cresçam.

    ResponderEliminar
  5. Quanto á do xarope diria, eu que também partilho os dias com uma gata, que é mais difícil dar-lhe comprimidos a ela que às minhas babies.

    ResponderEliminar
  6. A do jantar é bem verdade!!! Já cheguei a essa conclusão, depois de muitos jantares em que comia o meu e os restinhos dela :) Tantas vezes os restinho são uma refeição completa!

    Quanto ao supositório, é verdade sim, tal como dizes! Dito pelas enfermeiras e também pela pediatra da minha catraia.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais um ponto a favor da teoria do supositório invertido! :-)

      Eliminar
  7. COnfirmo e assino, Caco. Menos a parte de comer restos: é que o meu filho não deixa restos, de coisa nenhuma, desde a batata cozida á sopa carregada de legumes inteiros, que para esta alminha, quanto maiores, melhores!! Enfim... é um ser estranho!

    ResponderEliminar
  8. Falta a parte da bagunça! Se um dia idealizamos uma casa de revista isso foi antes de termos filhos! Espantoso como nos habituamos rapidamente a viver numa casa permanentemente caótica e andarmos descalças pela casa é uma verdadeira tortura - quem não experimentou centenas de vezes pisar legos e miniaturas de kinder surpresa que magoam à séria?!. As nossas bolsas de senhora, já de si uma confusão, passam também ao estado de sítio com carrinhos, lenços de criança ranhosos, toalhetes, metades de bolachas maria desfeitas e chupetas de s.o.s. Falta o carro... uma autêntica lixeira, sempre com a marca das solas dos sapatos deles nas costas dos nossos bancos, migalhas por todo o lado, nódoas de leite com chocolate e sei lá mais o quê. É a nossa vida de pernas para o ar, mas carregadinha de amor.

    ResponderEliminar
  9. Como farmacêutica confirmo o ponto do supositório. Tudo porque se colocado com a base mais larga primeiro os próprios movimentos do esfincter acabam por "sugar" o supositório enquanto que se colocado ao contrário a criança vai estar a empurrá-lo pra fora :p E depois vai uma, vão duas, vão três... :p

    ResponderEliminar
  10. Obrigada pelo seu comentário, Catarina! Sempre ajuda a esclarecer que este post já tem dado algum falatório aí pela blogosfera:-)

    ResponderEliminar

Deita cá para fora!