sexta-feira, 26 de agosto de 2016

O mistério da luzinha.

 

Ontem:

19h00 - No regresso a casa, percebo que o painel do carro tem uma luz acesa. Suspeito que possa vir a ter problemas.
19h30 - Ganho coragem, tiro uma foto ao painel e mando pelo chat do facebook ao meu pai, na esperança que ele me diga que aquilo é só ir à bomba e pôr água num tubo qualquer.
19h50 - O meu pai não responde. Começo a achar que pode ser algo grave e não tem coragem para me dizer.
20h30 - Continua sem responder. Ganho coragem e ligo.

Eu - Pai, viste a mensagem que te mandei pelo facebook?
Pai Caco - Que mensagem?
Eu - Igual às que mando quando te envio fotos do teu neto...
Pai Caco - Espera...

(5 minutos depois)

Pai Caco - Mas onde é que eu carrego para ver?
Eu - Não estás a ver aquela coisinha vermelha no topo do facebook? Tens de clicar lá...
Pai Caco - Mas isso está no teu mural?
Eu (a bufar porque já lhe expliquei isto mais de 300 vezes) - Esquece. Manda-me o teu e-mail.

(envio e-mail)

Pai Caco - Já entrou! (Com a mesma euforia como se estivesse a ver Nossa Senhora de Fátima pendurada em cima da azinheira).
Pois.... é melhor ires ver ao livro de instruções, mas, se calhar, é para avisar que tens de ir à inspeção...
Eu - Mas o ícone da luzinha parece um motor... será que o motor foi à vida?
Pai Caco - Melhor ires ver ao livro...
Eu - Ok. Obrigada. (a pensar porque raio não fui logo lá de vez e escusava de perder este tempo todo)

Hoje:

9h00 - Vou ao livro de instruções e percebo que pode ser o catalisador.
9h30 - Ligo para a oficina.

Eu - Bom dia. Posso falar com o Galileu? (o meu mecânico chama-se Galileu. Nome lindo para mecânico).
Atendedora de telefones: O Galileu não está.  
Eu - Preciso levar aí o carro  porque tenho uma luz acesa, fui ao livro de instruções e diz que se estiver ligada de modo fixo, devo ir de imediato à oficina.
Atendedora de telefones - E está fixo ou a piscar?
Eu - Fixo.
Atendedora de telefones - Então venha cá segunda-feira.
Eu - Mas se no livro diz que tenho de ir já, não é melhor levar aí o carro hoje?
Atendedora de telefones - É. Mas não está cá o Galileu.
Eu - E mais ninguém aí percebe alguma coisa de luzes que se acendem no painel?!? (a bufar um pouco mais do que quando o meu pai me perguntou onde é que se carrega).
Atendedora de telefones - Só se for o Alcides. Mas está cheio de trabalho.
Eu - Então que faço? (quando, na verdade, queria dizer: Ele que se desenmerde - como é que se escreve isto?!? - que eu preciso saber o que tenho no carro antes que passe a meia noite apeada na rotunda do E.Leclerc).
Atendedora de telefones - Está bem. Então passe cá hoje.

Algo me diz que há melhores formas de começar o fim de semana...

ATENÇÃO: Este post não me rende um tusto para mandar cantar um cego.

 
 
Começo por três constatações importantes:
 
1 - Miss Caco tem uns pés lindos.
2 - Miss Caco nunca fez pedicure na vida.
3 - Miss Caco não ganha um chavelho com este post.
 
Posto isto, posso avançar.
 
Sim, leram bem. NUNCA FUI À PEDICURE. Imagino mais ou menos o que seja, mas nunca achei que precisasse. Também nunca experimentei aqueles peixes que comem peles e o mais perto que estive disso foi com umas massagens tailandesas que fiz em Praga e que me custaram o tutano, mas souberam pela vida, que isto de cismar que as cidades só se conhecem bem a pé também tem os seus senãos.
 
Esta conversa para dizer que, este ano, pela primeira vez, algo mudou. Não sei se foi por fazer mais praia do que o habitual, mas fiquei com os calcanhares muito secos e gretados. Vai daí decidi googlar soluções caseiras. A maioria implicava dormir com mezinhas nos pés e depois tapá-los durante a noite com meias, tarefa inconciliável com a caloreira das noites de Agosto.
 
(Pausa para fait divers com certa e relativa importância)
 
Já disse que tenho uns pés lindos? Aproveito para comentar que ganhei um concurso de fotografia à custa deles. Ok, não eram os prémios Sony World.... Ok, também não era a nível nacional... Ok, nem sequer do bairro... Era um concurso interno entre funcionários de uma empresa... Ok, a empresa não era o China Construction Bank, mas tinha para cima de 100 funcionários... e todos a trabalhar. Ok, mais de metade não concorreu, mas isso não interessa. O certo é que ganhei com esta foto e fui passar um fim de semana ao Hotel do Caramulo, com tudo incluído. Espera. Tudo incluído não. As bebidas eram pagas à parte, o que foi chato porque não sabíamos e escolhemos o vinho mais caro da lista. Mas pronto, o que lá vai, lá vai.
 
 
(Regresso ao que interessa)
 
Bom, estava a tentar encontrar uma solução e eis que me lembro de ter visto, algures pela minha despensa, uns produtos do Dr. Scholl que nem sei bem como foram lá parar. Ou se calhar até sei, mas isso agora não interessa para a história. Adiante.
 
Vou directa à prateleira das traquitanas - aquela onde não entram alimentos, mas apenas coisas que não temos coragem de deitar fora porque achamos convictamente que um dia vão fazer falta, ainda que esse dia raramente chegue -, e descubro uma maquineta que dá pelo nome pomposo de "Lima Electrónica Scholl Velvet Smooth with Diamond Cristals", que é basicamente esta coisa aqui em baixo (recordo os mais desatentos que não ganho um chavelho com este post):
 

 
E meninas, o que é que isto faz? Como traz pilhas incluídas, foi só tirar da caixa, ligar e desatar a passar aquilo nos calcanhares. Nem sequer fui ver as instruções. A sensação é muito agradável, está longe de doer e é daquelas coisas que não sabemos bem o que está a fazer, mas sentimos que há cenas a acontecer. Começamos a notar uma espécie de pó branco a soltar-se dos calcanhares e, logo a seguir, percebemos que estamos num ritual de cremação de peles mortas, mas sem padre.    
 
Lá andei naquele serviço uns bons 5 minutos e quando passei as mãos nos calcanhares, juro que parecia milagre. Não fiquei com os pés de um bebé, é certo, mas adianto que o resultado ficou muito acima das minhas expectativas. 
 
Depois disto, passei uma espécie de roll on (este aqui em baixo) que dá pelo nome de "Scholl Stick Express para Calcanhares Gretados" que basicamente amaciou a pele, mas o que me deixou realmente surpreendida foi a maquineta lá de cima. Não faço ideia quanto é que aquilo custa, nem se vale o preço, mas o certo é que duvido que alguma pedicure, ainda que munida de um mega cardume de "peixes trituradores de pés", consiga um resultado semelhante.
Posto isto, é correrem às vossas agendas, ao linkedin, ao grupo de facebook dos colegas da primária e verem se descobrem algum amigo que trabalhe no marketing da Scholl. Depois é só mandarem este post e dizerem que, para envio de ofertas de fins de semana (mesmo que não incluam bebidas) ou de umas simples Havaianas, é só mandar mensagem privada.
 
Ah! Calço 38.

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

PÁRA TUDO!!!

 
 
Ontem à noite, na casa de banho, enquanto eu estava a lavar as mãos, Baby Caco entrou e disse:
 
- "Mamã, já sei dizer camião". 
 
Naquele segundo não percebi bem, mas logo a seguir caiu-me a ficha. O meu bebé estava a dizer-me que já sabia dizer C-A-M-I-Ã-O. Que é o mesmo que dizer que, a partir daquele preciso momento, ia deixar de o ouvir dizer P-I-A-I-Ã-O para toda a eternidade.
 
E eu fiz a festa habitual: gritos, saltinhos histéricos, levantei-o no ar, enquanto berrava aos sete ventos: "O meu amor já sabe dizer camião!!!! O meu amor já sabe dizer camião!!!".
 
O problema é que era tudo a fingir. Sim, meu rico filho, é verdade. Menti-te com os dentes todos.
 
Eu não estava assim tão contente como parecia. Aliás, eu não estava nada contente. A bem da verdade, estava praticamente fula da vida. É que a minha cabeça já estava a imaginar que o próximo passo é pedires-me para comprar aqueles Legos minúsculos que nem com uma lupa se vêem, depois que queres ir a uma festa de pijama, num instante cravas um interrail, nem desfazes as malas e Vilar de Mouros é que é, às tantas vens com a conversa que arranjaste uma namorada, logo a seguir cai-me o Erasmus no lombo e, num abrir piscar de olhos, sais de casa para viver com uma pitufa gira que dói mas que não sabe lavar uma alface.
 
Alguém tem um botão para parar isto, tal e qual como está, assim tipo... JÁ???!!??
 
Agradecida. 

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Klum vs Ferreira.

 
Ai, eu sei que parece que estou sempre a bater na ceguinha, mas um dia destes apercebi-me que estas duas têm parecenças, sobretudo nos olhos e no sorriso, sendo que uma é sopeirita e a outra é um canhão.
 
Pronto. Agora esfolem-me que, bem vistas as coisas, eu até mereço.
 


A Terra das Cartas.

 

Há cerca de dois ou três meses, tive de fazer um breve desvio no trajeto matinal casa-infantário para  ir aos correios levantar uma carta registada. Foi algo muito rápido e sem grandes alterações à rotina diária já que os correios ficam no mesmo sentido que o colégio de Baby Caco. Ele não fez grandes perguntas e eu também não fui muito além do: "a mamã tem de ir levantar uma carta".

Hoje de manhã, no carro, a caminho da escola:

-"Mamã, tenx de ir buscar uma carta?"

- "O quê? Uma carta?!?"
(Cai-me a moeda. Ele referia-se à dita carta que fui levantar há uns meses).

- "Xim, uma carta".

- "Não, filho, a mamã hoje não tem de ir buscar nenhuma carta... Mas tu querias que a mamã fosse buscar uma carta?"

- "Xiiiiiiiimmmmmm!!!!"

- "E querias que a mamã escrevesse uma carta para ti?"

- "Xiiiiiiiimmmmmmm!!! Uma carta burmelha!!"

- "Uma carta vermelha?!?"

- "Xiiiimmmmm!!!"

- "E onde viste cartas vermelhas?"

- "Na Terra das Cartas".

- "Na Terra das Cartas???!!?"
(Estaciono)

- "Xim. E depois vamos lá buscar as cartas todas que estão debaixo da terra... e xujamos as mãos e depois temos de as lavar...".
(Sai do carro)

- "Mas tu já viste uma carta vermelha?"
(Empurra a porta do colégio e corre pelo corredor)

- "Mas porque é que a carta é vermelha?", insisto.
(Entra na sala a agitar o jipe novo com os bracinhos no ar, para garantir que todos os amigos o vêem).

Não chegou a responder, mas a minha imaginação ainda o ouviu dizer:

"Porque é uma carta de amor, mamã".

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

É triste, mas é verdade.

 
Voltei. Acabaram-se as férias. Finito. Adeus boa vida. Goodbye fazer nenhum. Adieu não levantar palheiro. 
 
Para compensar, aproveitei a hora de almoço e entrei na Lanidor só para ir cheirar os saldos me desgraçar.
 
E desgracei. Com este vestido aqui em cima que me faz um avião, que não irei vestir um terço das vezes que idealizei quando decidi comprá-lo, e que está a metade do preço, como podem confirmar aqui.
 
Adeus boa vida. Olá inferno.
 
Vá, não chorem. Ainda vos amo.
 
A todos.

Ok. Se calhar não é todos, todos, todos, mas eu também exagero sempre um bocadinho, né?

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Por mim, já há vencedora.

 
Eu cá voto na mãe Dolores.
 
#jesuisDolores

Quem vai despedir o fotógrafo?

 
Até que enfim uma foto que revele a traineira que a Cristina Ferreira tem atracada nas ancas.
 
#momentocorteecostura
#terálicençadepesca
#nofundoétudoinveja
#aculpaédaperspectiva

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Ajudem o Cláudio.

 
O Cláudio Ramos diz que se está a aproximar a festa de verão da SIC/Caras e como não sabe o que vestir, postou os três últimos looks que usou para a malta dizer qual deles prefere.
 
Por mim, desde que deixe de lavar as calças a 90 graus, qualquer um serve.

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Nota ao Mulherio.

 
Há um Antes e um Depois na vida do Avillez depois do chef postar esta foto no Instagram.
 
É todo um mundo de novas oportunidades que se abrem. Pena que não sejam na área da gastronomia...
 
Espera... vai-se a ver e, no fundo, até são.

quinta-feira, 21 de julho de 2016

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Ronaldo faz coisas e cenas.

 

Parece que a Mattel ofereceu um boneco do Cristiano Ronaldo ao Nuno Markl e, vai daí, ele decidiu fazer uma brincadeira - que eu considero hilariante não só para o próprio criador da rambóia como para quem está de fora, só a ver - que consiste em colocar o boneco em situações engraçadas.
 
Tenho por hábito fazer algo muito parecido com os dinossauros e bonecos de Baby Caco lá por casa (ver em baixo), mas reconheço que com o Ronaldo tem muito mais piada.
 
A título de exemplo, na imagem em cima, apesar de eu achar que a legenda é "Ronaldo a ressacar" ou "Ronaldo aflito quando acorda e olha para a gaja com quem dormiu sem maquilhagem", o Nuno Makl é mais contido e diz que ele está só a acordar. Ok, tem piada na mesma.
 
Quem quiser saber mais sobre este poço de criatividade, é só ir aqui.

Aqui em baixo, recordo as minhas experiências caseiras: 
 
 
Mickey activa a box para assistirem juntos ao último episódio da terceira temporada de "A Guerra dos Tronos". Baby Caco amua porque queria ver "Bob, o Construtor". 
 
 
Cocas tenta convencer Miss Piggy de que ela é a única mulher da vida dele, enquanto os três filhos assistem e fingem acreditar.
 
 
Ruca hesita entre apanhar boleia do Noddy ou ir a cavalo.
 
 
Nem me atrevo a questionar.
 
 
Hipopótamo Freddie tenta fazer o pino no caderno de Baby Caco, enquanto faz desenhos com um lápis enfiado na boca.

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Balelas.


Isto é tudo muito bonito, sim senhora, mas então o gajo que escreveu esta me#&% que venha aqui explicar como é que se sobrevive ao momento em que estamos a comprar um trapo na ZARA e nos dizem que o cartão com o qual tencionamos pagar (onde estavam alojados 25 euros) expirou há D-E-Z dias.
 
Isto assume proporções ainda mais graves quando sabes que o tens no meio das tralhas da carteira há 3 anos e que, nos últimos 36 meses, já fizeste dezenas de compras nessa mesma loja.
 
(...)
 
Vou à oficina da rua de trás pedir a alguém que me deixe cair uma bigorna em cima do dedo mindinho. Deve doer menos.

Ou então vou à conservatória mudar o nome para Morgana.

Previsões de Miss Caco #1

 

Estou mesmo a ver o mulherio a desfilar este verão, tudo com o raio dos pompons a abanar nos pés e a combinar com as unhas em cor de néon.

Ok, até são giras, diz que meio mundo já tem, mas não dou três semanas para estarem à venda nos chineses.

P.S. - Se alguém der por ela, favor avisar aqui na barraca. Temos de ser umas para as outras.

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Além do "desadez", também há esta.

 
(Excerto de conversa no final do banho)
 
- Mamã, oubes a ábua a ir pa baixo?
 
- Sim, meu amor.
 
- Também oubo.
 
 

terça-feira, 28 de junho de 2016

Três, a conta que Deus fez.

 

Uma das principais razões que me fez criar esta barraca foi poder guardar aqui as etapas de evolução de Baby Caco, já que a minha memória de galinha não o permite. O certo é que este objectivo anda um bocado ao Deus dará, por isso, está na hora de deixar aqui um ponto de situação sobre os comportamentos da criatura, antes que ela entre na faculdade.

Para os que se estão a baldar para isto, é favor fecharem ali na cruzinha em cima, vão à vossa vida, e voltem amanhã, só assim naquela, a ver se há novidades.

Então, cá vai. Aos 3 anos e 5 meses, Baby Caco...

... já conta até dezanove, sendo que o algarismo que vem a seguir é sempre o "dezadez";

... adora carros, carrinhos e carrões. Vibra com Porsches e chama "piaião" ao camião;

... continua a odiar tomar banho, como já relatei aqui. Há negociações para entrar na banheira, há negociações para sair e há negociações para ficar;

... tem como frase preferida: "EU CONXIGO!". Apresenta uma necessidade voraz de provar a tudo e a todos que "conxegue" fazer tudo: desde abrir a porta do prédio, levantar o banco do carro, tirar os sapatos (ainda que fique meia hora a suar em bica para desatar os atacadores), meter as palhinhas nos iogurtes, e por aí fora. Ai de quem se atreva a executar a tarefa por ele. Só serve para voltar ao início e atrasar o processo;

.... não consegue deixar a chupeta (AKA "pêpê") quando está em casa. Dorme com um "urxinho", uma "pêpê" na boca e mais duas extra (uma em cada mão, não vá o urso gamar-lhas);

... descobriu que consegue mexer a pilinha sem sequer precisar tocar-lhe. No final do banho, fica sempre 2 ou 3 minutos, de pernil aberto, a vangloriar-se com o fenómeno, enquanto grita orgulhosamente: "Óia, mamã!!! Óia, mamã!!!!" e eu finjo desvalorizar a façanha, numa tentativa de evitar que replique o mesmo na rua;

... tem duas palavras no seu léxico que equivalem, para os adultos, à "Piada do Ano" do Bruno Nogueira. São elas "Cocó" e "Chichi". Encaixam perfeitamente em qualquer diálogo e transformam-no sempre na melhor piada à face da Terra. Demonstra especial excitação por gritá-las, aos berros, no carrinho, enquanto vai comigo às compras no Continente;
 
... tem uma namorada de 5 anos chamada Laura. Ou melhor, "Uaura".
 
... demonstra ligeiros comportamentos machistas, sobretudo ao fim do dia, quando quer ver televisão e eu ando de volta dele a tentar roubar-lhe beijos. Nesta altura, aponta para a cozinha, com olhar confiante, enquanto ordena: "Mamã, bai fajer a papinha".
 
... não dá beijos por iniciativa própria. Continuo a ter de implorá-los e suspeito que esta característica tenha tendência a agravar-se;
 
... adora tomate cherry e gelatina. Não gosta de feijão verde nem de cogumelos. A sopa tem de ser sempre passada. Quando encontra lá no meio algum pedaço mais sólido, grita: "Mamã, tem coijas!" enquanto cospe tudo fora.

Sim, visto de fora, parece um terrorista. E vendo bem, da forma como chegou e rebentou com o meu coração, talvez seja.

quinta-feira, 23 de junho de 2016

O meu monólogo mental

 
Cheguei do ginásio. Ninguém odeia aquilo mais do que eu. O suplício é de tal ordem que arranjo mil e um mecanismos mentais para passar o tempo. A cabeça não pára. Desconfio que se as pernas andassem à mesma velocidade dos pensamentos fazia um Lisboa/Marselha em duas horas. A coisa dentro da minha cabeça, passa-se mais ou menos assim:
 
13h32 - Vou meter 20 minutos de passadeira, mas cheira-me que, se chegar ao final, vou a pé a Fátima. Não fosse o "Prayer" do Robin Schulz queria ver se me aguentava aqui 5 minutos. Bem preciso "rezar" a ver se Deus me dá forças para aguentar este inferno. E esta gaja aqui na passadeira ao lado? Tem ar de que não anda aqui há muito tempo... Sempre quero ver se aguenta mais do que eu... Olha, uma bandeira de Portugal pendurada no suporte do plasma. Se ainda fosse uma foto dos abdominais do Ronaldo, sempre aumentava a motivação...
 
13h34 - Aquela que está ali a dar-lhe duro nos pesos parece um homem. Mas em mau. Está cá batida todos os dias desde que entrei. Já lá vão uns largos meses... Continua gorda. Às tantas, este esforço todo não serve mesmo de nada... E as gajas do balneário? Ainda estou para perceber porque raio rapam o pipi. Sim, rapam mesmo.  Parece que passou ali um corta relvas e levou tudo a eito, sem dó nem piedade.
 
13h36 - Isto não se aguenta... A gaja aqui ao lado continua a correr como se nada fosse. Deve ter posto o raio da maquineta numa velocidade inferior à minha. Só pode. Estou a suar como um cavalo e ela não solta um pingo. Adianta-lhes um ca%&$Lho ter estas frases motivacionais na parede do ginásio se depois não ligam o ar condicionado. Credo que isto parece Serpa, em Agosto. Ao meio dia e sem nenhum chaparro por perto.
 
13h38 - Um olho na SIC Notícias. Foi divulgada a lista de devedores à Segurança Social. Até que enfim alguma coisa pior que isto. Não deve ser muito agradável ter o nosso nome escarrapachado numa lista de caloteiros para meio mundo ver. E daí... vendo bem, se calhar, não é pior.
 
13h41 - Duvido que aguente esta vida até setembro. Não fosse a mensalidade cair todos os meses e já tinha mandado isto tudo às urtigas. Vá lá que não paguei inscrição. 9 minutos. Já corri 9 minutos. Só faltam mais 5. Quer dizer, deviam ser mais 15, mas que se lixe, faço o resto a andar em passo acelerado. Também deve servir para alguma coisa.
 
13h44 - No mês que vem já vou de férias. Vou pagar Agosto para não meter aqui os penantes. E em Julho, sabe Deus. Com tanta desculpa jeitosa que tenho arranjado para não vir, se calhar, é esta a altura de desistir. Porra, mas este corpo não se faz sozinho. Melhor ficar.
 
13h47 - Não descongelei nada para o jantar. E não posso ir à despensa buscar atum porque já fiz salada russa esta semana. Tenho de soltar o gafanhoto que o meu filho trouxe da rua e está há dois dias numa caixa. É certo que deixei a tampa um bocadinho aberta, mas não tem o que comer. Se calhar já morreu. E eu aqui a suar como um porco numa passadeira, sem sair do sítio. E o gafanhoto se calhar a morrer. Nunca mais me perdoo.
 
13h50 - As gajas aqui são todas feias. Ao menos se houvesse uma jeitosa, toda trabalhada, ainda puxava por mim. Agora estar aqui em sofrimento a olhar para estes presuntos, não há paciência. E depois chego ao balneário e dou com dezenas de pipis rapados. E alguns que parecem autênticos badalos. Ninguém merece.
 
13h51 - Olha... Só falta 1 minuto e estão feitos os 20. Porra, estou a desfalecer. Queres ver que me esbardalho agora mesmo na final? Não, não pode ser. A gaja aqui ao lado continua a correr, com ar de quem anda aos saldos na Baixa, a cabra. Mais uns segundos. Olho para o visor. Sim, só mais uns segundos. Bolas, que isto é mesmo um inferno.
 
Estou mais morta do que o gafanhoto. Salvo seja. Pronto, Já está. Depois disto, só um frango assado e um éclair. Ou dois.
 
Foi a última vez. Já ninguém me apanha aqui.
 
Espera... Já disse isto o mês passado. Não, agora é que é.
 
Juro. A última vez.

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Isto sim é uma galhofa das boas.


Miss Caco dá o.... (mentira, não dá nada). Miss Caco dá tudo - ou quase tudo, vá - por uma boa rambóia. Adoro que me façam rir, por isso, não posso deixar de partilhar uma preciosidade que, infelizmente, só descobri esta semana.
 
O nome é lindo, a foto e o header da página do facebook são perfeitos e o nível de humor, esse então é do melhor que tenho visto nos últimos tempos aqui pelas barracas virtuais.
 
Ora então, sentem-se confortavelmente - não tragam pevides para não deixar o sofá da sala cheio daquelas cascas que aquilo depois para tirar é um ver se te avias - e preparem-se para dizer olá ao Ruim.
 
De nada.

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Miss Caco vai lagartar.


Miss Caco deixou para a última hora a escolha do destino de férias.

Miss Caco tem pouca paciência para pesquisas de alojamentos e afins, sobretudo quando sabe que cometeu a estupidez de deixar tudo para o último momento, pondo-se a jeito para pagar por uma diária num T0,  na Aroeira, o valor de uma semana no melhor resort das Maldivas, em época baixa. Ok, estou a exagerar, mas a barraca é minha, portanto não adianta queixarem-se. 
 
Mas esta conversa não interessa para nada e só serve para repetir aquilo que disse o ano passado por esta altura: "Para o ano é que é. Não volto a cometer esta estupidez e trato de tudo antes do Natal".
 
Viu-se.

Ora, não querendo enfiar-me em nenhum charter, nem perder preciosas horas de férias em aeroportos atulhados de gente com havaianas enfiadas nos pés, sujeita a despenhar-me no meio do Atlântico - e só eu sei como a água lá é fria que dói - optei por fazer férias cá dentro.
 
E o destino escolhido foi...
 
Tchan, tchan, tchan, tchan.....
 
Este!!!
 


Que é o mesmo que dizer, Ilha da Armona, no Algarve.
 
Agora soltem essas línguas e toca a deitar cá para fora tudo o que sabem sobre a zona. Os que tiverem coisas más para dizer, é favor fazê-lo rapidamente porque aguardo o e-mail de confirmação de reserva a qualquer momento e talvez ainda vá a tempo de dizer à mulher da agência que sofro de amnésia e que não me lembro de ter feito reserva nenhuma, ou que isto agora com a internet é um perigo e que é preciso ter um olho no burro e outro no cigano, com meio mundo a enganar outro meio.
 
3, 2, 1 , ESTÁ A CONTAR!!!

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Iuuupppiii!!!! O Sabichão vai voltar!!!

 

Oh pr´á novidade mai linda que acabei de ler aqui!
 
Resumindo, a Majora, uma empresa de brinquedos portuguesa que a minha geração conhece bem, fundada há 75 anos e comprada em 2014 pelo The Edge Group, acabou de comunicar o relançamento de onze clássicos, com destaque para o famoso Sabichão.
 
Lembram-se? Aquele jogo que tinha uma espécie de mago que adivinhava as respostas às perguntas? E nós ficávamos pasmadinhos, sentadinhos ali à volta, como que a tentar perceber a que propósito é que o raio do boneco acertava sempre, ainda que, no nosso íntimo, soubéssemos que aquilo era coisa feita por adultos para nos ludibriar, mas com carinho.
 
E vocês não faziam umas folhas do tamanho do tabuleiro, recortavam o buraquinho para enfiar o mago e substituíam  as perguntas e respostas originais por outras próprias da idade, isto é, estúpidas e inocentes, que colocavam por cima do jogo e depois fartavam-se de rir com questões estilo: "Quem cheira a chulé?" (e na resposta punham o nome de um amigo, só para chatear) ou então: "Quem é a pessoa mais linda e esperta do mundo?" e colocavam-se, orgulhosamente, nesse estatuto. Ou ainda "Quem vai arrumar o quarto até ao ano 2000?" (o que, na altura, parecia uma eternidade). E pumba! Toca de meter o nome da irmã...Não? Não faziam isto?
 
Pronto, deixem lá. A partir do próximo Natal já vão poder fazer.
 
Agora vou até ali preparar uma nova lista de questões. A má notícia é que, desta vez, já não tenho desculpa para serem estúpidas ou inocentes...
 
Quer dizer, vendo bem, talvez ainda faça sentido manter a segunda questão...

terça-feira, 7 de junho de 2016

É oficial.


Chegou aquela altura do ano em que não consegues dormir debaixo do edredon porque tens calor, mas também não consegues tira-lo porque tens frio.

A solução é dormir com uma perna debaixo e outra por cima.

Modéstia à parte, não há dinheiro que pague as dicas úteis que se aprendem nesta barraca...

segunda-feira, 6 de junho de 2016

O Primeiro Arraial de Baby Caco.

 
No domingo, Miss Caco foi, finalmente, conhecer a famosa Vila Berta. Considerada imóvel de interesse público, esta vila foi construída no início do século XX, fica no bairro da Graça e é basicamente uma rua estreita e amorosa, com casas de dois andares, varandas em ferro, azulejos arte nova e muitas flores por todo o lado, que a tornam um autêntico postal de visita obrigatória, sobretudo para turistas.
 
O certo é que eu não podia ter escolhido melhor dia para a visitar. Integrado no programa dos Santos Populares, a vila organizou um Arraial Infantil, com jogos tradicionais, balões, ateliers, pinturas faciais, enfim, tudo aquilo que a canalhada gosta e Baby Caco não foi exceção.
 
Oh para ele aqui tão lindo a lavar o chão:


Sendo uma festa popular, bem podia estar a dançar o vira, mas não. Está só a saltar à macaca:

 
Aqui, a ver se faz pontaria para o traseiro mais próximo:


O aspecto da rua é mais ou menos este:

 
E as casinhas parecem ser tiradas de um filme:
 


 
Para saberem mais sobre os Santos Populares na vila Berta, o cartaz deste ano está aqui em baixo e podem amigar-se no facebook da vila que é bem capaz de ter lá mais informação.
 
 
 
Se alguém que me lê passou por lá ontem e encontrou um martelo de S. João pequenino, é meu. Favor entregar na receção. Sim, nós vamos aos santos em Lisboa, mas não esquecemos as nossas raízes. Quer dizer, pelos vistos esquecemos... É cor de rosa e amarelo.
 
Agradecida.

sexta-feira, 3 de junho de 2016

5 coisas de relevância extrema.


1 - Ando viciada nisto.
 
2 - Não, ninguém me pagou para escrever estas linhas, mas, em podendo, podem fazê-lo que eu repito. E em géneros, se for coisa para dar mais jeito.

3 - A culpa é do Pingo Doce que decidiu metê-las em promoção na semana passada, comprei uma camionete delas, meti-as todas na gaveta da secretária e agora é só ver qual dos pacotes voa mais depressa.
 
4 - Tudo seria menos grave se não tencionasse descongelar um crepe de chocolate, assim que chegar a casa. Ou dois.
 
5 - Bom fim de semana.

Não dou um mês para transformar Baby Caco num anjo.


As manhãs lá em casa não são complicadas de gerir. Baby Caco acorda com relativa facilidade e deixa-se vestir muito rapidamente no sofá, enquanto fica pasmado a ver o canal Panda.
 
A verdade é que, sobretudo ao fim do dia, por vezes, o canal exibe uns desenhos animados que me parecem um bocadinho "puxadotes", com uns dragões nojentos a cuspir fogo, enquanto se pegam uns com os outros. Baby Caco assiste todo satisfeito, vai soltando uns gritos de guerra, à medida que os dragões se esbardalham uns contra os outros, que eu vou intercalando com ordens infrutíferas para ele comer a sopa.
 
O certo é que gostava - enquanto posso - que ele visse umas coisas um bocadinho mais, digamos, naif. Por isso, um destes dias, pelas 8h30, deu-me para mudar para a RTP2 e fiquei absolutamente rendida. O canal estava a começar um filme maravilhoso que, infelizmente, não tive tempo para ver, mas que guardei o título para pesquisar mais tarde.
 
Chamava-se "A Canção do Mar" e era um trabalho de animação encantador, realizado por Tomm Moore, nomeado pela segunda vez para o Óscar de Melhor Filme de Animação, depois de "The Secret of Kells" (2009), a sua estreia em cinema.
 
Inspirado em mitos do folclore irlandês, conta a história de Ben e Saoirse, duas crianças que, desde a morte da mãe, vivem num farol com o pai, um homem triste e amargurado. Um dia, Ben descobre que a irmã é uma fada que se pode transformar em foca e retornar à condição humana, sendo que quando toca flauta, liberta seres mágicos.
 
Na versão portuguesa, o filme é dobrado com vozes como, por exemplo, Custódia Galego, e tem imagens encantadoras como estas:
 
 
 

 
Para quem quiser saber mais, aqui fica o trailer em português: 
 
 


Mas as surpresas não ficam por aqui. Na manhã seguinte, voltei lá e dei com uma série que é do mais ternurento que vi nos últimos tempos. Chama-se "Nuvinhas" e é sobre umas personagens amorosas que passam o dia a cuidar do céu e dos seus amigos: o sol, a lua, o arco-íris, uma nuvem e uma estrela. Se isto não é de se comer, não sei o que vos diga.
 
Os Nuvinhas vivem numa casa em cima de uma nuvem e aquilo é vê-los de mãos dadas, a pintar as nuvens, a passear as estrelas, a limpar a lua... Eu sei lá, uma ternura tal que só visto.
 
Posto isto, acredito que lá para o fim do mês transformei Baby Caco num anjo, com direito a dar-me beijos todos os dias POR VONTADE PRÓPRIA, sem nunca mais precisar de implorar por abracinhos, de joelhos no chão da sala, ou negociar beijos em troca de gomas com forma de ovo estrelado. 
 
Confiram só estas fofuras: