segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

O meu filho está a transformar-se no Cascão.


Mães desta vida, por favor digam-me que está por aí alguma que padece deste mal.
 
Desde que nasceu, Baby Caco não gosta de banho. Quer dizer, o banho já há algum tempo que até suporta, mas, na maternidade, e durante praticamente o primeiro ano de vida, chorava a maior parte do tempo, o que tornava este momento um suplício. Estão a ver aqueles vídeos do youtube, que mostram bebés em estado zen com a água a escorrer pela cara abaixo? Pois. Ainda bem que estão porque eu não sei o que isso é.
 
Aquilo era de tal forma um cenário "poltergeistico" que nunca lhe pus creme no corpo porque ele gritava ininterruptamente até ao momento em que o vestia. E não, isto não tem a ver com o facto de ter frio, porque só faltavam coqueiros e uma praia para aquela casa de banho parecer Copacabana no pico de dezembro.      

Bom, o tempo foi passando e ele começou a gostar do banho, mas o cabelo, ai Jesus, o cabelo é um verdadeiro inferno. Grita como se lhe estivéssemos a arrancar um braço. Ou dois. Ou, para ser mais honesta, os dois braços e o testículo esquerdo. Tudo ao mesmo tempo.
 
O resultado é que, agora, até eu odeio o dia de lhe lavar o cabelo - que, convenhamos, começa a ser com uma periodicidade que até tenho vergonha de dizer. A sorte é que, vá-se lá perceber como, juro que não cheira mal e tem sempre bom aspecto, mesmo que não veja água há mais de... três dias (é tão lindo o eufemismo).
 
Para tentar contornar isto, inventei que tem bichos na cabeça e que tenho de os tirar, sob pena de lhe comerem o cabelo até ficar careca como o Ruca. Sucede que ele não só não se importa de ficar careca, como diz que adora os bichos e, no final do banho, continua a gritar desalmadamente: "EU QUEO OS BICHOS!!!! EU QUEO OS BICHOS!!!".
 
E é aqui que tenho de fingir que lhe volto a pôr a bicheza toda no mesmo lugar de onde a tirei. Nesta altura, dá sinais de começar a acalmar-se, até abrir novamente as goelas, minutos depois, assim que vê o secador a aproximar-se. Esta fase custa um pouco menos porque o barulho do aparelho sempre abafa um bocado o circo.
 
Posto isto, há por aí alguém com dicas maravilhosas para que o meu filho não se transforme, a passos largos, num Cascão e eu não tenha um ataque de loucura semelhante ao que sofreu a Teresa Guilherme quando decidiu vestir-se de Ana Malhoa?
 

Agradecida.

16 comentários:

  1. Sofro do mesmo e não tenho dicas. A Lara tem quase dois anos e há umas semanas que guincha sem parar quando chega a parte de lhe lavar o cabelo. E para secar é ainda pior. E tenho mesmo que lhe lavar o cabelo todos os dias porque vem sempre com um cheiro a desinfetante da creche.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai, Purpurina, lamento, mas confesso que, ao mesmo tempo, sinto alguma satisfação por não ser a única a carregar esta cruz... Nem quero imaginar o que seja aturar isso TODOS os dias... Boa sorte! ;-)

      Eliminar
    2. Com a minha funcionou levar um nenuco para o banho e deixá-la dar uma chuveirada ao boneco. Controlo apertado, para não haver inundações (às vezes acontece - não atura gritos, mas seca mil azulejos, qual das opções a pior). Resulta também dar-lhe um daqueles acessórios limpa-vidros pequeninos do IKEA, ela entretém-se a limpar os azulejos e olha para cima, portanto matam-se dois coelhos com uma cajadada (é assim que se escreve?) só. Boa sorte!

      Eliminar
    3. Essa dica para o pôr a olhar para cima, é bem jeitosa ;-) Obrigada, StarBreaker!

      Eliminar
  2. A minha Leonor fez 3 anos em Janeiro e o sempre adorou o banho. Por ela fica lá 24h seguidas.. Agora o cabelo... Ai o cabelo! É horrível... Grita até não poder mais! Não gosta da água nos olhos nem ouvidos mas da forma como esperneia e grita não consigo evitar 😒
    Boa sorte! 😚

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana, bem -vinda!
      Mais uma para o clube! ;-)

      Eliminar
  3. O meu filho, hoje com 26 anos, padecia do mesmo mal. A determinada altura, inventei uma canção aparvalhada (mas aparvalhada mesmo), na tentativa de aligeirar o momento. Aquilo acabou por pegar (era parva, mas era sempre a mesma) e a partir de certa altura só conseguia lavar-lhe a cabeça depois de iniciada a melodia (cof, cof). Com o tempo, já a cantávamos juntos e, se com a pressa eu me esquecia, já era ele que pedia a canção.
    Ele cresceu, perdeu o medo do banho e da lavagem da cabeça, passou a lavar-se sozinho, cresceu mais ainda, foi à vida dele e, ainda hoje, que já não mora comigo há alguns anos, se, naqueles momentos mais nossos, eu começar a cantar aquela parvoíce, ele sorri e eu vejo a expressão dele suavizar-se, como se aquela canção ainda hoje tivesse o poder de o acalmar, de o confortar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bonito, Nêta. Juro que me comoveu. Agora quero ver quem vem aqui limpar-me as lágrimas :-). Obrigada pela partilha de uma história tão bonita.

      Eliminar
  4. A minha filha adorava o banho (passado). É um circo naquela casa cada vez que é preciso tomar banho. Julgo que qualquer dia chamam a protecção de menores. Lavo-lhe o cabelo e ela diz a chorar: "deslava mamã, deslava!". Eufemismos sobre a periodicidade dos banhos... nem comento! :P A primeira pergunta que faz mal põe o pezinho de princesa fora da escolinha: "hoje vou tomar banho?", seguido de "e vou lavar o cabelo?". Nossaaaaa!...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deslava! Ahahahaha!! Ahahahaha!! Muito bom!!

      Eliminar
  5. Passa-lhe o chuveiro. Resultou com o meu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas antes ou depois dele me furar os olhos com ele? :-)

      Eliminar
  6. o que resultou com o rapaz (2A) cá de casa:
    - bonecada (uma bola saltitona ou uma forma para a areia ou um livro de plástico ou um copo de plástico) - fica distraído, enquanto lavo tudo
    - degrau de plástico do ikea (o mesmo que usa no lavatório para lavar os dentes/cara/maos) - fica sentado o tempo quase todo
    - chuveiro na mao - ele passa a água e tira sozinho a espuma (ter reflexos afinados para nao nos banharmos tb)
    - tapar o ralo - adoora ver a espuma boiar e tenta apanhar com os pés

    resulta connosco.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Sarah!
      A bonecada já experimentei e não resulta, o chuveiro ele foge dele como do Satanás, já o degrau do IKEA parece-me uma boa ideia para quando o passar para a banheira grande porque para já ainda está na pequena ;-). Obrigada pelas dicas! Beijinhos

      Eliminar
  7. Adoro os remates finais dos posts...muito bom!
    Se o texto já é bom, o final que não tem nada a ver é ainda melhor :)

    ResponderEliminar
  8. Experimenta fazer-lhe penteados com cabelo cheio de espuma. Tipo colocar-lhe o cabelo todo em pé e mostrar-lhe a seguir com um espelho de mão. De certeza que vai achar graça. E enquanto fazes o penteado vais lavando. Os meus fartavam-se de rir, tanto que depois já eram os dois que faziam um ao outro. Nada como tentares.

    ResponderEliminar

Deita cá para fora!