terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Há dois dias que o meu filho dorme numa nuvem.


A semana passada tive uma conversa com a minha sogra sobre o maravilhoso mundo dos lençóis térmicos, mas como, a bem da verdade, não sinto muita falta e tenho lençóis com fartura - além de que odeio acumular tralhas -, a conversa ficou por ali.
 
Nem de propósito, dias depois, ao deitar Baby Caco, assim que pousa a cara na almofada, diz: "Tá fia, mamã!". Claro está que, naquele momento, era bem capaz de fazer malabarismo com massas de fogo, se essa fosse a única forma possível de aumentar a temperatura. Mas como tinha o robe dele ali ao lado, cobri a almofada com ele. No segundo seguinte, senti-me a pior mãe do mundo, no outro segundo a seguir, achei que estava a exagerar, e no minuto que se seguiu, meti na cabeça que a prioridade da minha vida era comprar uns lençóis térmicos.
 
Comentei com a minha empregada e ela disse-me que havia um feirante que tinha uns muito bons e que estava de manhã junto ao mercado. No sábado, lá fui eu. Cheguei um pouco tarde, já estava o homem a arrumar a parafernália de edredons, atoalhados e afins na carrinha, mas ainda a tempo de perguntar pelos ditos lençóis. Disse-me que tinha uns mais finos, a dez euros, outros mais grossos, a quinze, e ainda uns, que eram a novidade do momento, um pouco mais caros.
 
Apontou para os mostrar, mas eu torci o nariz porque aquilo parecia-me tecido de toalha de praia e desvalorizei. Quando começo a pedir-lhe para me mostrar os padrões dos térmicos, cruz credo, uma desgraça. Cada um mais foleiro do que o outro. Quase ao nível dos padrões que desfilaram pela festa de aniversário da TVI , mas para pior.
 
No meio daquela miséria franciscana, dei com um com uns mochos coloridos, uma coisa meia infantilóide, mas que comparado com o resto, pareceu-me que cumpria os mínimos. A verdade é que aquela minha indecisão também não podia durar muito, não só porque o homem já não tinha tempo para me aturar, mas sobretudo porque, no entretanto, Baby Caco ia alternando entre enfiar a cabeça debaixo da roda da viatura, ou puxar o rabo ao cão carregado de pulgas que estava à entrada da peixaria.
 
É nesta altura que o homem diz que esse lençol era dos tais "novos", a célebre "novidade do momento, anti-alérgico, anti-fúngico" e mais uns "antis" quaisquer que davam ar de ser alguma coisa de jeito. Para minha surpresa, reparo que eram feitos daquele tecido muito fofinho, igual ao das mantinhas dos bebés, estão a ver? Aquele que parece os robes da Primark e que, além de secar muito depressa, fica sempre com ar de novo, ao contrário dos térmicos que - segundo dizem - ganham borbotagem até dizer chega.
 
Bom, Baby Caco escolheu uns cinzentos, da mesma cor do quarto, bem mais sóbrios do que a bonecada dos mochos  e, meus amigos, posso adiantar-vos que existe um ALT (Antes dos Lençóis Térmicos) e um DLT (Depois dos Lençóis Térmicos).
 
A verdade é que, agora, quando vai para a cama, diz que vai para os "uençóis quentinhos" e eu sinto-me outra vez a Melhor Mãe do Mundo, a achar, convictamente, que estes foram os 25 euros mais bem aplicados de todo o sempre. Estes e aqueles que investi nos boyfriend jeans que me ficam a matar, mas que, como eram para mim, se calhar não conta, né?

20 comentários:

  1. Tenho uma prima que também tem um discurso desse género de que a vida dela mudou depois de ter comprado lençóis desses! Diz que até tem pena quando chegar o Verão!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando chegar o verão, dorme com eles e com havaianas :-)

      Eliminar
  2. Esses lençóis chamam-se de coralina. Lençóis de coralina. Também usamos cá em casa. Nada tem a ver com os térmicos. É demais dormir neles!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De coralina ou da Carolina, seja o que for, aquilo é um presente dos deuses! :-)

      Eliminar
  3. Também ando de volta dessa questão...tenho que encontrar um "feirante" desses aqui perto :)

    ResponderEliminar
  4. A minha filha é uma enlacrada, sua em bica até no pico do inverno e dorme sempre destapada. :P
    Arrisco-me a dizer que vou continuar a passar bem sem esses lençóis. hehehe
    Vá confesso que onde vivo está a mesma temperatura o ano quase todo, uma coisa assim para o húmido e ameno que nunca nos deixa a bater o dente nem no inverno.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ui, onde fica isso, Purpurina? Também quero! ;-)

      Eliminar
    2. Nos Açores, Ponta Delgada. Vá, tens a vantagem do tempo ameno mas tens a desvantagem de andar sempre com o cabelo miserável por causa da humidade. Não se pode ter tudo. :)

      Eliminar
    3. Uiiiii! O Caco é lido nas ilhas?!? Estou que nem posso!! Amo os Açores! Juro! Passo a vida a dizer que é dos sítios mais lindos onde estive na vida e olha que Miss Caco não é para se armar, mas é bastante viajada ;-)

      Eliminar
  5. Tenho que concordar. Isto por aqui é bem bonito. ;)

    ResponderEliminar
  6. Boa!Ofereceram-me uns para a cama de grades. São mesmo macios, mas ainda não os experimentámos, que o Afonso ainda dorme no berço.

    ResponderEliminar
  7. Como entendo o Baby Caco!!!!
    Já nem imagino o que é dormir numa cama sem os devidos lençois polares(feios como tudo!!!!) que permitem que não morra de choque térmico cada vez que me deito !!! Irra!!!Raio do frio que não vai embora!!!

    ResponderEliminar
  8. A minha cria teve muita sorte, desde o seu primeiro inverno que dorme nas nuvens. Já vai no 3º. A minha sogrinha descobriu-os numa lojinha de rua quando ela nasceu e todos cá em casa nos rendemos. Pois é, até os graúdos dormem nas nuvens. Um luxo!

    ResponderEliminar

Deita cá para fora!