segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Parece que acabou.

 
 
Meto a chave na porta. Esta semana sou eu que abro o escritório. Não vem praticamente ninguém à agência. Está abafado. Pois... também sou eu que ligo o ar condicionado. É no botão vermelho. Depois é naquele da setinha para não levar com o ar gelado na tromba. Não que não precisasse.

Também há pouca luz... Há que abrir os estores. Nunca sou eu que os abro. E agora este fio puxa-se, mas onde é que se trava esta merda para não descerem outra vez? Para a esquerda não segura, para a direita também não... Espera... agora sim... já está!
 
Ligo a máquina do café. Nunca sou eu que a ligo. Por causa disso vai demorar a aquecer. Vou tomar o pequeno-almoço. Pego na taça com os cereais. Abro o frigorífico da copa. Raisparta, está vazio. Comi os últimos iogurtes para não se estragarem nas férias... Vou à gaveta da secretária. Um pacote de bolachas, daquelas que têm chocolate dentro e que não deitei abaixo antes de ir embora só porque achei enjoativas. Agora vai ter de ser. Ainda bem que fechei o pacote com um clip. Vá lá que não estão moles.   
 
Sento-me. Pelo menos não há nenhum post-it colado no ecrã com mensagens urgentes. Carradas de e-mails a cair que nem tordos. Toca a eliminar. Apetece apagar à bruta, mas lá no meio há sempre algum que interessa. Raios. É a tal encomenda. Esgotou e o fornecedor já não fabrica mais. É preciso azar.
 
Tenho de ligar o computador da minha colega. E a password? Porra, é sempre a mesma merda. Nunca anoto o raio da password. Agora vou fazer a triste figura de ligar para o informático a pedi-la outra vez. Quem me manda ser trenga? Não basta entrar no prédio e ter o porteiro à entrada da porta com um sorriso nos lábios e testa franzida, a receber-me com um: "Já acabou, não é? Eh!Eh!Eh".
 
É, palhaço. Já acabou. E eu voltei. Com a mesma cor, o mesmo peso (nem tudo está perdido) e a mesma altura. Só a neura é que é maior. Bastante maior.

P.S. A imagem que ilustra o post foi tirada esta manhã, à saída do metro. Enquanto, por esta altura, outros acordam tendo a praia como paisagem, esta é a vista que tenho todos os dias ao chegar ao trabalho. Vá lá que não chove. Ou melhor... antes chovesse.

17 comentários:

  1. o regresso é sempre... uma treta. Bom regresso e boa semana

    ResponderEliminar
  2. Respostas
    1. É... mas não frequentas a Versailles. Nunca lá vi nenhum gordo com alpercatas e óculos...

      Eliminar
    2. Muito pequeno almoço tomo eu ali...
      ...e um ou outro almoço.

      Eliminar
    3. Marca o dia e eu faço a proposta à pastelaria para criar o desafio "Onde está o Factos"? O vencedor leva um éclair. Ou dois, vá.

      Eliminar
    4. O último a chegar é um ovo podre!

      Eliminar
    5. És o gordo que está a lambuzar-se num pastel de Tentúgal e que tem fios de ovos pendurados nas hastes dos óculos??

      Eliminar
    6. Não era esse. Fica para a próxima.

      Eliminar
    7. Ok, avisa com antecedência para ir ao cabeleireiro.

      Eliminar
  3. tb lá dou um ar da minha graça de macaca, de vez em quando (ai as bolas de berlim com creme!!!), bem como à vizinha Choupana (ai os croissants e o pão e os cappuccinos e as merendas e o iogurte e e e...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, Macaca! A Choupana também é uma perdição!

      Eliminar
  4. O regresso ao trabalho pesa sempre muito! E quando as pessoas se saem com o "Já acabou?" então aí é que dá vontade de esganar alguém!

    ResponderEliminar
  5. Porta da Versalhes? Bem bom! E eu, que voltei com um quilo a mais que teima em não desaparecer?

    ResponderEliminar

Deita cá para fora!