terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Miss Caco foi ao shopping no feriado com uma criança de dois anos e sobreviveu.

 
Miss Caco estava decidida a aproveitar o feriado para se enfiar no shopping com a criatura e aviar as prendas de Natal de uma assentada.
 
Pôs despertador, preparou o saco com as tralhas, vestiu o miúdo, deu-lhe tentou dar-lhe o almoço mais cedo - "não faz mal, meto isto num tupperware, aqueço lá no micro-ondas da restauração e está feito" - foi buscar o carro à garagem com a criatura para não a deixar sozinha em casa (o verdadeiro delírio, sentar-se no banco ao lado, sem cadeirinha), estacionou em frente à porta de casa e toca a alombar com a parafernália de tralhas cá para fora, vulgo, o "ovo", o saco com os víveres, fraldas, dodot´s e afins, o carrinho para o transportar, o casaco, o gorro, o meu casaco, o meu gorro e a criatura.
 
Pousar tudo junto à viatura. Agora é só meter o miúdo no "ovo" e já está.
 
(...)
 
É o metes. Não está habituado a andar no meu carro e achou por bem que hoje também não era o dia. "Então, mas logo agora que já tenho tudo na rua?!?". Vale tudo para o fazer mudar de ideias: metê-lo ao volante, mexer nas mudanças, deixar pôr os sapatos nos estofos beges, buzinar, tudo até se esquecer.
 
Ok, já se esqueceu. Tentar de novo. Desta vez com sucesso. Meter a tralha lá dentro. Entalar um dedo na porta. Dizer asneiras. Muitas. Ainda bem que ele ainda não percebe. Estou para ver como vai ser a minha vida quando esse dia chegar. Olha, estalei o verniz. Que bonito, ir para o shopping com verniz estalado. Ainda por cima vermelho. Não sei o que fazer com tanto estilo.
 
O carro é lindo, é certo. Mas só tem espaço para mim e três hamsters. Ok, exagerei. Para mim, três hamsters e um buldogue francês. Mas este já só vai na mala. Seguimos caminho. A ouvir este som. É a loucura. Quatro braços no ar (um de cada vez, não convém largar o volante), gritos em uníssono, cantar aos berros, mesmo só sabendo o refrão. O resto inventa-se. Ele não sabe inglês, é capaz de não dar por ela. A puta da rebaldaria até ao shopping. Duvido que o concerto do Anselmo atinja este nível de excitação.
 
Chegámos. Toca a tirar tudo cá para fora. Sim, está a correr bem. Vamos lá.
 

Chegada ao shopping. É preciso dar-lhe de comer. Enfiar o tupperware no micro-ondas. Mesas cheias de povo. Não há onde sentar. Que se lixe, vou andando até encontrar um sofá. Cinquenta metros depois, o primeiro sofá livre. Miss Caco corre, ao estilo dança das cadeiras. Uff!! Apanhei. É meu! Toca a dar-lhe de comer.
 
É o dás. Dois metros ao lado está uma cena daquelas que se mete moedas para os putos andarem. Pior, não é uma cena qualquer. É o Mickey. Está tudo perdido. Braços no ar outra vez. Desta vez a gritar em direcção ao raio do rato. "Mas bebé, comes agora e a mamã leva-te lá depois". Era preciso que ouvisse. E depois de ouvir, que assimilasse. Impossível. E o shopping a olhar para mim.
 
Ok, é oficial. Não há almoço para ninguém. Manda o bacalhau às urtigas. "E tomate, queres?" Vê Deus sempre que lhe mostro tomate. Por segundos, esquece o Mickey. Não, não posso ser eu a dar. Tem de ser ele. E com as mãozinhas lá dentro. Tudo a que tem direito. E o molho a escorrer pelas mangas abaixo. E eu a passar-me, mas olha, pelo menos come.
 
 
"Iogurte, queres?". Sim. Bebe como se fosse o último à face da Terra. O importante é despachar para ir ao Mickey. Agora não tenho lanche. É capaz de não dar jeito dar-lhe bacalhau aquecido às cinco da tarde...
 
 
Oh mãe, diz àquela senhora para desviar o pandeiro que preciso estacionar.
 
Ok, já andou no Mickey. Agora tenho de ir ao Continente comprar o lanche que ele acabou de comer. Trago boiões de fruta. Estão em promoção. Levo oito. Vamos lá. Seguimos pelos corredores enquanto decido a loja que ataco primeiro. Braços no ar outra vez e mais gritos. Muitos. O que foi agora? Vejo o parque de diversões ao fundo. O mundo pode vir abaixo daqui a meia hora que o mais importante é entrar naquele parque. 
 
Levo-o na esperança de ficar ali dez minutos e fartar-se. "Olha, tão linda esta joaninha para te sentar aqui e abanar até implorares para te enfiar no carro outra vez, não é bebé?". Não, não é. O que é giro é aquela cena com uma piscina cheia de bolas onde os putos se matam lá dentro. "Não podes bebé, não é para a tua idade". Mas ele queria que fosse. Era preciso que ouvisse. E depois que assimilasse. Primeira birra a valer. E o shopping a olhar para mim. E eu a tentar controlá-lo. Sem sorte nenhuma. "Mas onde é que eu achei que isto ia ser possível?!?". 
 
      
 
O momento onde percebeu que era ali que queria entrar. Precisamente dois segundos antes de decidir enfiar-se pelo buraco mais próximo e eu desatar a correr atrás dele.
 
Ok, não há safa. Metê-lo aos berros dentro do carrinho. Primeira loja. Primeiras compras. Primeiras birras na fila para pagar. E eu a achar que se ele não adormece na próxima meia hora o melhor era ir para casa antes que endoideça. 
 
Hora do lanche. Os boiões de fruta e as bolachas. Mais uma vez tem de ser ele a segurar na colher. Manda abaixo um boião. Pede outro. Vou buscar de um sabor diferente para não enjoar. Manda-mo comer a mim. Continua a dizer que quer outro. Abro um igual ao primeiro. Afinal já não quer. E eu com dois boiões abertos. E agora? Tenho de os comer. Dois boiões de fruta. Ele a olhar para mim. E o shopping também.  

 
Pormenor da unha lixada quando foi entalada na porta do carro. Só charme.
 
Prospeção de lojas. Fazer piscinas para evitar passar em frente ao parque de diversões. Fazer piscinas para encontrar os elevadores. Fazer piscinas para encontrar a casa de banho. Passo à frente esta parte que era mais meia hora para explicar como se faz chichi com um carrinho de bebé que não cabe no wc.
 
Finalmente adormece. Miss Caco está doida e compra tudo que aparece à frente. Varre as lojas como se não houvesse amanhã, até não ter mais espaço onde pendurar sacos no carrinho.
 
Duas horas depois acorda a criatura. Enfia tudo no carro. Vamos para casa. Tira tudo do carro. Leva os sacos para a sala. Constata um ligeiro problema... é quase tudo para mim.
 
Olha, deixa. Afinal, nunca saberei quando voltarei lá outra vez.

17 comentários:

  1. Oh Miss Caco! Conheço tão bem esta história! :) The story of my life... ehehehehe!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bom saber que não somos bicho raro. :-)

      Eliminar
  2. Porra até fiquei cansada de ler o post.

    ResponderEliminar
  3. Tendo em conta que o miúdo, provavelmente, é muito pequeno para entender o 'olha que vais para um colégio interno', eu recomendo as compras online... ;)

    ResponderEliminar
  4. :D é quase tudo para mim!!! ahahah, pelo menos tinhas de ter uma recompensa:)

    ResponderEliminar
  5. mãe Caco é mãe coragem e mãe paciência :D Um dia bem difícil.. Hehe

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas comprei coisas liiiiiiinnnddaaaasss!!!!!!! :-)

      Eliminar
  6. agora vai lá arranjar essa unha lascada, que isso até parece mal....:-) mas vai com um dos trapinhos novos que compraste...:-)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Susy, vou com os trapos novos e meto as mãos no bolso :-)

      Eliminar
  7. heheh que fofo!! Os caracóis dão cabo de mim.... :)
    O meu, sensivelmente da mesma idade também é doido por tomate... o tomate lá em casa só vem para a mesa no fim da refeição senão ele não come mais nada... :)

    ResponderEliminar
  8. Só tentei uma vez e jurei para nunca mais!

    ResponderEliminar
  9. Como me revi...A minha já tem 3 anos e é exactamente igual...
    É inglório o esforço...:)
    Valha-nos as comprinhas para animar ;)

    ResponderEliminar
  10. Miss Caco, o que eu estou a adorar o teu blogue. Fiquei aqui hoje, a cama espera por mim, mas um dia destes recomeço.
    Parabéns!
    (JPB, do a mãe é que sabe)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh... que honrada me sinto com este comentário tão querido! Também gosto muito do vosso! Beijinhos ;-)

      Eliminar

Deita cá para fora!